Erik Buell está de volta em nova empresa de motos elétricas


A vida inovadora de Erik Buell está prestes a ganhar um novo capítulo. O conhecido construtor norte-americano revelou hoje (9) a participação em uma nova marca de motos elétricas, a “VanguardSpark”, ao lado de outros dois sócios. Juntos eles pretendem construir dois modelos revolucionários.

vanguard-spark-speedbike-2018-1

VanguardSpark Speedbike. (Divulgação)

A empresa foi criada pelo francês François-Xavier Terny e conta também com a participação de Frédéric Vasseur, fundador da “Spark Racing Technology”, empresa responsável pela construção dos carros da Fórmula-E.

O primeiro modelo é chamado de SpeedBike. Mais bicicleta do que motocicleta, o veículo é assistido por pedais e pretende ser “uma alternativa saudável e elegante para ciclomotores e pequenas scooters”.

O segundo modelo nos interessa mais e é chamado de Commuter. Com uma aparência mais esportiva, a motocicleta possui uma carroceria aerodinâmica onde abriga as baterias e um motor elétrico montado – aparentemente – no cubo da roda traseira.

vanguard-spark-commuter-2018

VanguardSpark Commuter. (Divulgação)

Apesar disso, a VanguardSpark chama a Commuter de “um prático veículo de duas rodas, perfeitamente adaptado a ambientes urbanos e com capacidade para 150 km ou mais antes da recarga”. O objetivo é claramente autonomia e praticidade, não desempenho.

No momento, a VanguardSpark revelou apenas esboços que mostram a “direção de design” dos modelos, ao invés de dados precisos das mesmas. De acordo com a imprensa europeia, a empresa tem quatro pedidos de patentes aguardando nos bastidores.

Conhecido por sempre oferecer superbikes vanguardistas, Erik Buell não tem a mesma aptidão comercial vendo sua marca ruir duas vezes: a primeira na década de 2000 e a segunda há poucos anos atrás, quando o espólio foi vendido por um grupo de investidores. A VanguardSpark deve mostrar novidades no final do ano.


Sobre Lucas Carioli

Publicitário de formação, jornalista por opção, principalmente sobre o motociclismo, o único "ismo" que pratica. Quando não está escrevendo ou tocando rock, está perdido em alguma estrada com sua moto.