Arai apresenta capacete em homenagem à Freddie Spencer


A Arai está apresentando esse mês um capacete que homenageia o tricampeão mundial Freddie Spencer. O lançamento marca os 40 anos do aparecimento do lendário piloto norte-americano nas pistas.

capacete-arai-1978-2018-anniversaryO modelo é o mesmo conhecido e comprovado Corsair RX-7X, o capacete de competição que a Arai disponibiliza para as ruas. Serão duas opções de cores: prata e azul (original de 1978) e a mais conhecida tricolor (branca, vermelha e azul) de 1980 em diante.

A primeira coloração em 1978 foi essa prata“, confirma Spencer, que utiliza os capacetes japoneses desde o início da carreira. “Eu sinceramente agradeço a Arai pelos 40 anos de colaboração“. A inscrição ’Freddie Spencer 1978-2018 Anniversary’ pode ser lida na lateral esquerda.

capacete-arai-1978-2018-anniversary-2Spencer tinha apenas 17 anos em 1978 quando venceu o “U.S. National Road Racing Championship”, campeonato norte-americano que o projetou para as famosas “Corridas Transatlânticas”, onde os melhores pilotos da América enfrentavam os melhores europeus.

Daí para o Mundial de Motovelocidade foi um pulo. Spencer seria campeão mundial pela primeira vez em 1983, antes de conseguir uma proeza ate então jamais igualada: vencer tanto nas 500cc (hoje MotoGP) quanto as 250cc (Moto2) no mesmo ano, 1985.

Assim como os outros RX-7X, o capacete de Spencer reúne o que a marca tem de melhor, com a tecnologia VAS (sistema de eixo variável), sistema patenteado pela Arai que dissipa melhor a energia absorvida em impactos, sem que casco perca a sua elegante e característica forma de concha.

O capacete será disponibilizado entre os tamanhos 53 (XS) e 61 (XXL) com um preço de $ 979,95 dólares, o que numa conversão simples dá pouco mais de R$ 3.500 reais (sem frete e taxas de importação). A Arai também homenageiam os pilotos Kenny Roberts, Nicky Hayden, Kevin Schwantz, Mike Dooohan, Shinya Nakano, Jonathan Rea, Scott Russel, Maverick Viñales e Dani Pedrosa.


Sobre Lucas Carioli

Publicitário de formação, jornalista por opção, principalmente sobre o motociclismo, o único "ismo" que pratica. Quando não está escrevendo ou tocando rock, está perdido em alguma estrada com sua moto.