Kawasaki confirma saída de Sykes ao final do ano


O piloto britânico Tom Sykes confirmou oficialmente ontem (17) que deixará a equipe Kawasaki do Mundial de Superbike ao término da temporada 2018. Seu futuro na categoria, no entanto, ainda é incerto.

Tom Sykes 2015A possibilidade já era dada como certa há muito tempo, pois era visível o clima de descontentamento de Sykes, cada vez mais hostil em relação à equipe Kawasaki em suas entrevistas mais recentes.

Sinto que chegou a hora, o momento de fazer uma mudança em minha carreira e buscar novos desafios”, disse Sykes em um comunicado. “Ter a motivação para ir além de seus limites e de sua máquina é ainda mais importante quando se olha para a vitória em todas as corridas e sinto que dei tudo o que podia dentro da Kawasaki Racing Team. Então agora eu decidi deixar a KRT e procurar novas metas e desafios para 2019.

Sykes ingressou na Kawasaki em 2010 tendo como ponto alto o título de campeão em 2013. Até agora, o britânico já soma 34 vitórias, 46 pole positions (um recorde no WSBK) e 105 pódios. Contudo, desde 2015 tem sido ofuscado pelo companheiro de equipe Jonathan Rea.

Vou me concentrar agora em terminar no pódio nas últimas quatro etapas de 2018. Estou determinado a aproveitar essas corridas e fazer com que este anúncio efetivamente acabe com todas as especulações“, continuou Sykes. “O timing dessa grande decisão nunca é fácil, mas é especialmente difícil, já que minha vida pessoal também enfrenta grandes mudanças. Com relação a isso, sinto que o peso da pressão diminuiu levemente dos meus ombros e tenho certeza de que 2019 me permitirá operar em plena capacidade”, encerrou.

Sykes tem sido especulado principalmente para ingressar na Yamaha, onde já esteve na década passada. A marca dos diapasões, no entanto, agora conta com uma estrutura muito mais profissional, com apoio praticamente direto da fábrica. A Kawasaki também não anunciou seu substituto, mas as possibilidades são dissecadas aqui.


Sobre Lucas Carioli

Publicitário de formação, jornalista por opção, principalmente sobre o motociclismo, o único "ismo" que pratica. Quando não está escrevendo ou tocando rock, está perdido em alguma estrada com sua moto.