Salão de Milão: Kawasaki apresenta Z400 na Itália


A Kawasaki apresentou hoje (6), no Salão de Milão a Z400, versão sem carenagem da Ninja 400. Com 45 cv e um novo quadro, a motocicleta promete ser a naked média mais excitante das ruas.

kawasaki-z400-salao-de-milao-2018

A Ninja 400 é um dos grandes destaques no estande da Kawasaki em Milão. (Fotos: Kawasaki/Divulgação)

A chegada da Z400 não chega a ser uma surpresa, aguardada desde o aparecimento da Ninja 400, no Salão de Tóquio do ano passado. Era uma questão de tempo até a marca verde revelar a versão naked, que compartilha a mesma estrutura básica da irmã carenada.

Isso significa que os adeptos da Z400 poderão desfrutar do mesmo motor bicilíndrico em linha, que foi completamente revisto na Ninja 400 e oferece 45 cv a 10.000 rpm, com um torque de 3,87 kgf.m  a 8.000 rotações. Apesar do maior deslocamento volumétrico em relação à Z300, o propulsor possui as mesmas dimensões sendo oito quilos mais leve.


O quadro, embora também seja de treliça tubular de aço, foi modificado especialmente para se adequar à Z400. Nas suspensões, a motocicleta possui bengalas convencionais de 41 mm na dianteira, com um único disco de freio de 310 mm mordido por pinças Brembo. O ABS é de série. Na traseira, o amortecedor regulável tem 130mm de curso. As rodas de liga leve possuem pneus nas medidas 110/70/17 na dianteira e 150/60/17 na traseira.

Assim como a Ninjinha, a Z400 conta com embreagem do tipo deslizante, recurso que ajuda a minimizar o travamento da roda traseira em reduções bruscas. A altura do assento é a mesma, 785mm, com uma almofada 30mm mais alta sendo oferecida como opcional. Apesar da ausência de carenagem, o peso é quase o mesmo, 167 quilos, contra 168 kg da Ninja 400.

Em termos de design, a Z400 se assemelha mais à Z900, o modelo mais recente da linha naked, apresentada em 2016. Lá estão mesmas aletas laterais, espelhos retrovisores, estilo de farol (de LED) e protetor de painel. Este, por sua vez, é idêntico, com conta-giros, velocímetro, hodômetros, combustível, autonomia, relógio, indicador de marcha e luzes-espia.

O mesmo pode-se dizer sobre as opções de cores, que serão três em solo europeu: verde (Candy Lime Green), vermelha com preto (Metallic Spark Black  Candy Cardinal Red) e totalmente preta (Metallic Flat Spark Black). Opcionalmente a marca ainda oferece uma ponteira Akrapovic e uma capa para o assento do passageiro. Sua chegada ao Brasil deve acontecer em 2020.


Sobre Lucas Carioli

Publicitário de formação, jornalista por opção, principalmente sobre o motociclismo, o único "ismo" que pratica. Quando não está escrevendo ou tocando rock, está perdido em alguma estrada com sua moto.