Rossi satisfeito com primeiros testes: “temos uma direção em mente”


Valentino Rossi se mostrou otimista ao analisar os primeiros testes pré-temporada de 2019, que aconteceram essa semana no circuito de Sepang. O italiano disse que ainda há muito que fazer, mas dessa vez eles sabem qual direção seguir.

Rossi estabeleceu a melhor volta em 1min59s155, o suficiente para a décima posição, bem atrás do líder Danilo Petrucci, que marcou 1min58s239 com sua Ducati. O eneacampeão, no entanto garante que está feliz com o progresso mostrado até agora.

Estou apenas feliz e satisfeito. Como algumas áreas da moto funcionaram bem melhoramos nosso desempenho. Mas outros componentes que prometiam muito não fizeram o que esperávamos“, contou Rossi. “Por um lado, temos visto progressos neste primeiro teste, por outro lado, ainda temos muito trabalho pela frente, porque a diferença [para o líder] é considerável. Estou feliz com a atmosfera da equipe e com as ideias que temos. Parece que a Yamaha está trabalhando muito em melhorias. Isso é importante“, frisou.

Rossi contou ainda que a Ducati é muito rápida em uma única volta lançada: “É extremamente rápida ao sair das curvas. Parece que os pilotos também estão indo muito bem. Eu estava atrás de Petrucci. A Ducati é rápida e constante. Nossa aceleração precisa melhorar“, admite. “O que nos falta é a entrega ideal de potência. Precisamos melhorar as características do motor ao acelerar“, explicou.

Rossi também não esquece de Marc Márquez (Honda), que liderou no primeiro dia, mas recuou nos seguintes, devido ao seu estado físico: “temos que ter em mente que Márquez não estava à frente porque seu ombro está lhe causando problemas“, lembrou. “No ritmo de corrida estamos mais perto do líder, mas se tivéssemos que correr amanhã, não seríamos tão bons“, analisou.

No final das contas, Rossi encerra o teste com sentimentos mistos, mas acreditando que há motivos para esperar uma temporada melhor em 2019. “Nos últimos dois anos estávamos um pouco perdidos. A Yamaha trabalhou, mas sempre tivemos a incerteza: ‘é realmente melhor ou não?’“, relembra. “Sempre tivemos dúvidas. Desta vez tentamos algo que foi benéfico, mas também tentamos algo que não funcionou. Mas pelo menos temos uma direção em mente“, concluiu.