Governo britânico vai testar radares com detectores de som para multar escapes barulhentos


O Departamento de Transportes da Grã-Bretanha anunciou essa semana que pretende testar um novo tipo de radar capaz de detectar o nível de ruído dos veículos por onde passa. A ideia é controlar também os índices de poluição sonora.

Na Grã-Bretanha, os escapamentos barulhentos podem estar com os dias contados. (Divulgação)

Os radares, que contém uma câmera e um pequeno microfone enviam os dados dos infratores direto para um banco de dados com os registros de placas de todos os veículos do Reino Unido. Os dispositivos serão testados em vários locais nos próximos sete meses e, se bem-sucedidos, poderão ser distribuídas em toda região.

A poluição sonora afeta a vida das pessoas e tem impactos muito sérios sobre a saúde“, disse o Secretário dos Transportes britânico, Chris Grayling. “É por isso que estou determinado a reprimir os motoristas e motociclistas que perturbarem nossas ruas. A nova tecnologia nos ajudará a tornar nossas cidades mais tranquilas, e estou ansioso para ver como essas novas câmeras podem funcionar“, completou.

O diagrama de como as novas câmeras funcionam.

Até o momento, a aplicação de multas através de índices de ruído é feita subjetivamente através do patrulhamento de policiais. No entanto, esses novos sistemas poderão determinar se a lei foi violada levando em consideração a classe e a velocidade do veículo em relação à localização da câmera.

Com a crescente pressão sobre o meio ambiente, incluindo poluição sonora, escapamentos ilegais instalados por alguns pilotos atraem atenção indesejada para a comunidade de motociclistas e não fazem nada para promover os muitos benefícios que as motocicletas podem oferecer“, comentou o Presidente da Associação da Indústria de Motociclos, Tony Campbell.

Todos os fabricantes produzem motocicletas novas que seguem regulamentos rígidos em relação a ruído e emissões e nós aceitamos esses testes como uma maneira potencial de detectar ruído excessivo em nossa comunidade“, completou.

A iniciativa surge logo depois de estudos revelarem que a exposição contínua a longo prazo a poluição sonora pode causar implicações na saúde física e mental, com o estresse e pressão alta sendo apenas duas das condições associadas.