“Não tenho mais energia para pilotar”, revela Stoner em rara entrevista


Casey Stoner não é muito de falar, mas quando o faz captura a atenção de todos. É o que o ex-piloto australiano conseguiu em sua última entrevista, onde revelou os seus [grandes] problemas de saúde que o impedem de pilotar e até de realizar tarefas diárias.

Casey Stoner em 2019: conseguir realizar tarefas cotidianas já é uma vitória, na atual condição física do ex-piloto. (Getty Images)

Convidado a participar do podcast australiano “Rusty’s Garage”, Stoner disse que sofre de Síndrome da Fadiga Crônica, uma rara condição em que o paciente sofre de extremo cansaço físico e mental e que não melhora com o repouso. Entre a suas causas estão a depressão, anemia e outros.

Eu não piloto há mais de um ano, provavelmente, por causa da fadiga crônica, não tenho mais energia para fazer isso. Se ficar um dia pilotando fico uma semana no sofá“, revelou o bicampeão da MotoGP. “Não tenho feito as coisas que gosto hoje em dia. Tem sido um pouco frustrante. Não pratico arco e flecha (outro de seus hobbies) há provavelmente 10 meses ou mais“.


Stoner não pilota uma MotoGP desde 2017 (Ducati/Divulgação).

Chocado, o entrevistador quis saber mais sobre seu dia-a-dia: “Basicamente, o que acontece com a fadiga crônica, é que não consigo me manter em forma e saudável“, explicou. “Tenho um problema nas costelas que saem do lugar com frequência. Também tenho hérnia de disco, então isso pressiona meu disco e pulveriza um pouco de líquido, o que pressiona os nervos e você tem um espasmo“.

Apesar de tudo, Stoner disse que esta melhorando com novos tratamentos. “Nestes últimos meses, venho melhorando com alguns medicamentos novos, mas ainda não estou nem perto de treinar, sair e fazer coisas“, admite. “Caso contrário, isso me coloca no sofá por uma semana ou mais, ou pelo menos quatro ou cinco dias, o que torna as coisas difíceis para minha mulher“, lamenta.

A última vez que Stoner foi visto pilotando foi no fim de 2017, quando ainda era piloto de testes da Ducati. Agora, isso parece completamente fora de questão para o australiano. “A primeira vez que andei em uma moto de estrada desde janeiro do ano passado foi há algumas semanas atrás quando eu estive nos EUA em um evento da Alpinestars“, contou. “Andamos um pouco com alguns caras. Não forçamos nem nada, mas só isso já me esgotou o suficiente“.

Não é a primeira vez que Stoner é diagnosticado com doenças incomuns para um piloto. Em 2009, quando ainda era piloto de MotoGP, o australiano precisou se ausentar de algumas etapas após ter sido diagnosticado com intolerância a lactose. Em 2015 passou alguns dias no hospital com problemas renais.