Chefe da Petronas: “quero que Rossi brigue pelo pódio”


O assento deixado por Fábio Quartararo na Petronas-Yamaha parece destinado a Valentino Rossi. Mas o chefe da equipe, Razlan Razali disse que vai exigir o máximo do italiano de 41 anos.

Rossi estaria disputando, em 2020, a sua última temporada pela equipe oficial da Yamaha, já que no próximo ano será substituído por Fábio Quartararo. O italiano ainda não assinou contrato para 2021, mas tudo indica que continuará na vaga deixada pelo francês.

Ele não é como nenhum outro piloto, é uma lenda viva, nove vezes campeão mundial com uma rica experiência“, disse Razali em entrevista ao MotoGP. “Mas para nós, ninguém está acima da equipe. Isso é muito importante para mim e no ano passado foi ótimo em termos de estrutura e pessoas. Então, queremos continuar com isso e significa que não queremos virar o time inteiro de cabeça para baixo por uma única pessoa“, avisou.

Razali também deixa claro que cobrará resultados: “Se Valentino decidir continuar, não queremos que ele apenas conclua seu último ano, mas queremos que ele seja competitivo e lute pelo pódio, isso é importante para nós“, explica. “Então, se ele puder mostrar que ainda é competitivo na idade dele, tudo pode acontecer, continuar ou o que for, podemos falar sobre isso. Mas até falarmos com ele, essas discussões são inúteis“.

Por fim, Razali revela que já conversou com a Yamaha sobre a questão de Rossi, mas não com o próprio piloto: “Tivemos uma série de boas conversas com a Yamaha para esclarecer os problemas técnicos no caso de Valentino chegar até nós. Conversamos sobre as motos, o custo e assim por diante algumas vezes“, afirma. “Também conversamos com Petronas sobre a possibilidade, mas infelizmente nunca houve uma reunião com o próprio Valentino Rossi“.