Lorenzo sobre negociações com a Ducati: “era uma possibilidade muito real”


Jorge Lorenzo admitiu que esteve muito perto de voltar à MotoGP pela Ducati em 2021. O espanhol, no entanto, preferiu se concentrar em ser apenas piloto de testes da Yamaha.

Lorenzo também está no circuito de Misano, onde a Categoria Rainha está realizando testes privados nessa terça-feira (15). O espanhol foi abordado pelos jornalistas do Motorsport.com onde admitiu suas conversas com a marca italiana.

Era uma possibilidade muito real que esteve prestes a se concretizar“, revelou. “Durante o confinamento, Gigi Dall’Igna [diretor da equipe] me ligou para me dar os parabéns pelo meu aniversário. Conversamos sobre assuntos pessoais, familiares e outros, e no final da conversa perguntei a ele, por curiosidade, sobre o futuro da equipe e dos pilotos. Pouco depois, Michelle Pirro me enviou uma mensagem meio de brincadeira, meio séria, perguntando se eu queria voltar para a Ducati“.


A coisa evoluiu a partir daí: “Pode ter sido por ter ficado tantos meses trancado ou por ter sentido saudades daquele sentimento que a vitória te causa, mas aquele telefonema fez com que a possibilidade de voltar a correr brilhasse na minha cabeça“, admite Lorenzo. “Começamos as negociações, mas à medida que se aproximava o momento da assinatura, ganhava mais peso aquelas coisas que tinha que abrir mão de novo. Depois de muitos dias de dúvidas, decidi, com muito pesar, que deveria dizer não a Gigi. Foi um gesto amargo e eu sinto muito, porque fiz com que ele ficasse mal com a fábrica, o que poderia ter sido evitado. Se fosse mais claro, não teríamos iniciado as negociações“, lamenta.

Agora, Lorenzo se mostra motivado apenas em ajudar a Yamaha como piloto de testes, função que não exerceu nos últimos meses sem que os demais pilotos soubessem explicar. “De acordo com o que eles me disseram na época, o coronavírus causou alguns problemas logísticos com o pessoal que teve que viajar do Japão. Foi uma pena não poder contribuir com a minha experiência“.

Lorenzo enfatiza que ser piloto de testes é sua principal prioridade agora. “Espero que a Yamaha continue a confiar em mim e, acima de tudo, que haja vontade de desenvolver uma equipe de testes poderosa que ajude a moto a crescer. Acho que com minha experiência e sensibilidade posso contribuir muito“, acredita o pentacampeão.

Sobre o substituto de Andrea Dovizioso na Ducati, Lorenzo acha que Francesco Bagnaia é o favorito: “A lógica me leva a pensar que o escolhido será Pecco. Principalmente depois da grande corrida que fez em Misano apesar de não estar 100% fisicamente. Ele tem um grande futuro pela frente e, de alguma forma, sua direção me lembra um pouco a minha, baseada em uma curva muito rápida e uma tocada fina e elegante“.