Além da R6, a Yamaha pretende descontinuar outros modelos na Europa em 2021


A Yamaha YZF-R6 não será a única a deixar as ruas a partir de 2021. A marca dos diapasões pretende descontinuar outros modelos por não se enquadrarem mais às novas leis de emissões na Europa, o que pode acabar se refletindo em outros países.

A Super Ténéré será descontinuada na Europa, mas segue nos EUA e no Brasil.

Embora as fabricantes tenham recebido permissão para continuar vendendo modelos padrão Euro4 além de 31 de dezembro, isso só acontecerá até esvaziarem os estoques e minimizar os prejuízos da pandemia. Novos desenvolvimentos, no entanto, devem obedecer ao Euro5, o que acaba se refletindo nos EUA e em outros mercados.

Até o momento, nem toda a linha Yamaha foi adaptada para o Euro5 e nem todos serão, eles já avisaram. Entre as esportivas, as motocicletas, YZF-R1, YZF-R1m, YZF-R125 já foram confirmadas, mas a best seller YZF-R3 ainda não. De qualquer forma, sua atualização está no horizonte e deve acontecer em 2021.


Restam poucas unidades da FJR 1300.

No segmento turismo esportivo, a Yamaha vai concentrar todos os seus esforços na Tracer 7 e Tracer 9, ambas anunciadas essa semana com suas respectivas versões GT. Por outro lado a legítima Gran Turismo FJR 1300, que já vendeu 120.000 desde 2001 (algumas importadas ao Brasil) será definitivamente descontinuada. Ainda existem algumas unidades da Ultimate Edition a partir de 20.000 euros.

No segmento denominado pela Yamaha como “Sport Heritage”, a XSR 700, versão retrô da MT-07 já tem a homologação Euro5, mas não a XSR 900 (MT-09), que deve acontecer nos próximos meses. O mesmo não deve com suas opções de estilo norte-americano, XV 950R e SCR 950, que devem desaparecer dos catálogos.

Mas talvez a morte mais emblemática seja a da XT 1200Z Super Téneré. A big trail, que acompanha aventureiros ao redor do mundo há uns bons dez anos não será ajustada para o Euro5 e isso foi informado apenas como uma observação lateral no último comunicado à imprensa. O interessante é que o segmento vive o seu auge e soa bastante estranho o desinteresse da Yamaha em sua representante. Será que vem modelo novo aí?

De qualquer forma, todas essas decisões se aplicam apenas ao mercado europeu, atualmente o mais lucrativo do mundo em deslocamentos acima de 500 cm³ e também o mais restritivo quanto à emissões. A Super Ténéré, por exemplo, continua nos EUA e no Brasil. Mas a terra do Tio Sam já anunciou que, além da R6, a popular V-Max e a trilheira WR250R serão aposentadas. Como se vê, uma coisa puxa a outra.